Humanidades Digitais e Ciência aberta: perspectiva e desafios para a formação humana no campo da Ciência da Informação

Izabel Antonina de Araujo, Maria Aparecida Moura

Resumo


Nos últimos anos, o acesso aberto ao conhecimento e a transformação no modo de fazer ciência convergiram para o conceito de ciência aberta que se refere a abertura das diferentes etapas dos processos científicos com o relativo acesso aos dados primários das pesquisas disponibilizados online. Neste contexto, o campo das humanidades digitais tornou-se o locus de experimentação voltado aos propósitos de abertura no campo científico. A Ciência da Informação, como campo interdisciplinar, tem recebido parte das demandas por formação humana advindos das novas formas de se produzir cientificamente, na medida em que o campo está relacionado à comunicação do conhecimento e governança dos fluxos informacionais para tornar acessível o conhecimento cultural, científico e tecnológico produzido. A compreensão e adoção da ciência aberta no contexto brasileiro requer reflexão, o planejamento e o desenvolvimento de propostas de formação humana que ampliem a perspectiva dos profissionais da informação em face do atual cenário de mudanças. Nesta perspectiva, este artigo aborda as temáticas ciências abertas e humanidades digitais com foco nos desafios relacionados aos modelos formativos no campo da Ciência da Informação. O estudo centra-se em revisão da literatura sobre os temas em questão e identifica algumas competências requeridas do profissional da informação. Utiliza-se como base as orientações do Projeto Foster. Considera que a formação profissional para Ciência Aberta e humanidades incentiva a criação de novos modelos interpretativos para a compreensão dos aspectos da pesquisa nas suas dimensões culturais, linguísticas, literárias e sociais.


Palavras-chave


Ciência aberta. Ciência da informação. Humanidades digitais. Formação humana.

Texto Completo:

PDF

Apontadores

  • Não há apontadores.


Parceiro institucional:

EBSCO