Conteúdo gerado pelos utilizadores: desafios para as bibliotecas

Paulo Leitão

Resumo


A democratização do acesso as tecnologias da informação e comunicação e a emergência de plataformas que privilegiam a publicação de conteúdos e a socialização dos indivíduos, fez nascer um novo tipo de consumidor de informação, agora também produtor. O resultado deste novo papel, normalmente designado por Conteúdo Gerado pelos Utilizadores e um fenómeno relativamente recente, mas que, graças a ubiquidade da tecnologia, se tem vindo a espalhar, apesar de o comportamento da maioria dos indivíduos na Web ser orientado por outras motivações, nomeadamente a da comunicação. O conteúdo produzido e multiforme, apresenta diversos níveis de granularidade, pode ser original, derivado ou resultar de uma remistura, e produzido individualmente ou de forma cooperativa em plataformas que apelam a socialização, e nas quais poucos indivíduos são grandes produtores e a grande maioria contribuintes esporádicos. A utilização destes conteúdos pela comunidade parece obedecer também a uma constante que se traduz no consumo dos mesmos, poucos, conteúdos por um grande numero e numa popularidade diminuta de muitos, o que, apesar disso, não deixa de constituir uma nova possibilidade de atingir um numero diversificado de pequenos nichos. Os problemas da originalidade, privacidade e qualidade são os que mais recorrentemente ocorrem na discussão da outra face desta moeda.
As bibliotecas tem vindo timidamente a aceitar estes novos produtores, abrindo mesmo a sua participação os instrumentos de organização e recuperação de informação que, historicamente, eram só seus, mas demonstrando alguma dificuldade na assunção do papel de produtoras, em cooperação, de novos conteúdos, que não os do domínio tradicional da meta-informação. A discussão a volta de questões como da organização, recuperação e preservação destes conteúdos da os primeiros passos, bem como a da gestão destas comunidades de utilizadores/produtores.
No entanto, esta e uma realidade que não e possível ignorar e espera-se que este contributo possa servir para lançar a discussão e a investigação na comunidade das bibliotecas portuguesas.

Texto Completo:

PDF

Apontadores

  • Não há apontadores.


Parceiro institucional:

EBSCO