Os Grupos de Trabalho constituem-se sob proposta dos órgãos nacionais ou regionais da Associação ou de um conjunto de associados (não inferior a 5 membros), devendo a sua constituição ser aprovada pelo Conselho Nacional. Podem integrar os Grupos de Trabalho qualquer profissional interessado nos seus objetivos e atividades (sejam ou não associados), sendo que a equipa de coordenação terá de ser constituída por associados individuais.

Os grupos de trabalho, em cooperação com o Conselho Nacional, prosseguem os fins da Associação, constituindo núcleos permanentes de debate, investigação e intervenção, adequados aos diversos sectores e às diversas áreas funcionais. A eleição da coordenação ou do coordenador é da responsabilidade dos membros do Grupo de Trabalho, de entre os associados individuais e por um mandato de 3 anos (sendo ratificada pelo Conselho Nacional).

Os Grupos de Trabalho ativos são:

  1. Grupo de Trabalho de Arquivos Audiovisuais
  2. Grupo de Trabalho de Arquivos Municipais
    O GTAM pauta a sua atuação pela participação em seminários, ciclos de conferências e outros fóruns e pela colaboração com outros grupos de trabalho da BAD, sublinhando o papel dos arquivistas na gestão eletrónica de documentos, promovendo o trabalho em rede. Atua com a elaboração de documentos técnicos e sobretudo na ação como grupo de pressão em defesa dos profissionais de arquivo e dos serviços de arquivo.
  3. Grupo de Trabalho de Bibliotecas da Administração Central
  4. Grupo de Trabalho de Bibliotecas do Ensino Superior
    O GTBES, que se assume como uma plataforma de ação e reflexão colaborativa para apoiar a inovação, as boas práticas e o aprofundamento dos novos papéis e competências das instituições e seus profissionais, pretende reforçar o papel das BES nos processos de ensino aprendizagem, com enfoque na literacia da informação e nas tecnologias emergentes, e perspetivar novas formas de comunicação da ciência e a participação das bibliotecas no processo de criação e disseminação do conhecimento científico.
  5. Grupo de Trabalho de Bibliotecas Escolares
    O GTBE agrega todos os profissionais de informação direta ou indiretamente relacionados com as Bibliotecas Escolares e procura esbater o desconhecimento existente entre os profissionais da informação que trabalham nas bibliotecas municipais, nas escolares e noutras instituições direta ou indiretamente relacionadas com as bibliotecas escolares; construir caminhos de reflexão, cooperação e partilha tendo em vista a melhoria do trabalho dos profissionais ligados às bibliotecas escolares, reforçando a união destes profissionais; fomentar a investigação e formação dos profissionais envolvidos com as bibliotecas escolares, apresentando‐se como parceiro ativo no diálogo entre profissionais da informação.
  6. Grupo de Trabalho de Bibliotecas Públicas
    O GTBP pretende criar um espaço de reflexão, debate e experimentação, em que se partilhem opiniões e dúvidas de forma a coordenar posições para que com a ajuda de todos se consiga mobilizar os bibliotecários para agirem em defesa destas bibliotecas que prestam um verdadeiro serviço público. Aproveitando a ampla distribuição nacional das bibliotecas públicas, procura aproximar os bibliotecários, criando espaços de contacto e canais de comunicação que permitam potenciar a missão das bibliotecas e melhorar os serviços prestados aos utilizadores.
  7. Grupo de Trabalho de Gestão de Documentos de Arquivo
    O GTGDA tem como principal objetivo refletir, debater e atuar com vista à implementação no país dos princípios e boas práticas de gestão de documentos de arquivo, independentemente do seu suporte.
  8. Grupo de Trabalho de Sistemas de Informação em Museus
    O GTSIM procura pensar o Museu como um centro de produção de conhecimento ao assumir o objeto de museu como documento e o acervo da instituição museológica, existente nas Reservas, Arquivo, Biblioteca ou Centro de Documentação como um todo unitário nas suas inter-relações informacionais. A visão integradora do acervo do Museu implica um maior enfoque nas potencialidades informativas do acervo, contribuindo assim para uma mais eficiente gestão de toda a informação sobre património produzida em contexto museológico.